Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/08/15 às 19h28 - Atualizado em 29/10/18 às 15h43

Uso de aplicativos aproxima brasilienses de serviços públicos

COMPARTILHAR

Informações úteis podem ser acessadas gratuitamente via celulares e tablets, como a escala de profissionais da Saúde, no Siga Brasília, e horários do metrô

01.5 App cartaz

Com sistemas de acesso simples e informações para o cidadão, os aplicativos para dispositivos móveis do governo de Brasília mostram-se  cada vez mais úteis na relação da sociedade com o poder público.  Lançado em 24 de junho, o Siga Brasília — que tem o objetivo de dar  maior transparência à gestão pública — já registrava, até 3 de agosto,  11.951 downloads em telefones celulares e tablets. Dividida em quatro  módulos — receitas, despesas, remuneração de servidores e escala de  profissionais da rede pública de saúde —, a ferramenta traz conteúdos  do

Portal da Transparência em uma plataforma mais intuitiva.

 

 “A possibilidade de verificar a escala de médicos e enfermeiros é uma  das grandes novidades em abertura de dados”, avalia Lano Thiago  Castro, diretor de Desenvolvimento da Informação, da Controladoria-  Geral do Distrito Federal. Essa é a opção mais consultada, seguida  daquela que informa a remuneração dos servidores. Ainda há um link  para a Transparência Web TV e um formulário que permite enviar  críticas ou sugestões à Ouvidoria-Geral do DF.

 

 O Siga Brasília, desenvolvido por servidores da Controladoria-Geral,  marca o pioneirismo da capital como primeira unidade da Federação a  ter um instrumento de divulgação de dados relacionados à gestão  pública via celular e tablet. Por enquanto, está disponível apenas para  a plataforma Android, mas até o fim do ano poderá ser usado em  aparelhos com sistema iOS. Também é possível acessá-lo em qualquer  computador, pela internet, no endereço sigabrasilia.df.gov.br.

 

 Assim como o Siga Brasília, a maioria dos instrumentos que aproxima a  sociedade dos serviços públicos foi lançada neste ano. Alguns, porém,  já existiam e foram reformulados. Reúnem desde ferramentas básicas  como o acesso à segunda via da conta de água até a possibilidade de  acompanhar licitações do Executivo. Todos os seis utilitários do governo  são gratuitos.

 

 Terracap
Criado em 2014, o aplicativo da Agência de Desenvolvimento do Distrito  Federal (Terracap) possibilita ao cidadão consultar datas de lançamento  dos editais e informações sobre como participar de licitações; pesquisar  sobre imóveis, localização e destinação de terrenos; e visualizar áreas  pelo Google Maps. Para baixar o programa, que já teve mais de mil  acessos, é só entrar no Google Play ou na App Store.

 

 Metrô-DF
Lançado no aniversário de 55 anos de Brasília, em 21 de abril, o  utilitário da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF)  permite que passageiros vejam rotas, horários de funcionamento das  estações, valores das tarifas — que variam nos feriados — e endereços de pontos turísticos da cidade. “Todo sistema de transporte deve atender bem seus usuários, e essa é uma forma direta de garantir isso”, destaca o chefe da Assessoria de Tratamento da Informação, do Metrô, Paulo Hamilton Bastos.

 

O mecanismo apresenta informações institucionais, além de um simulador de viagem. “É possível planejar o trajeto antes de sair do ponto de origem para avaliar o melhor caminho até o destino”, exemplifica Bastos.

 

Em um mapa, o recurso mostra quais são e como está a operação de cada uma das linhas. A empresa pretende fazer melhorias no sistema ainda neste ano. “Queremos promover atendimento completo ao usuário, como uma ouvidoria móvel”, ressalta o chefe da Assessoria de Tratamento da Informação, área desenvolvedora do utilitário. O aplicativo soma 614 downloads e pode ser baixado nas lojas virtuais para Android e na App Store.

 

Procon-DF
No Instituto de Defesa do Consumidor do Distrito Federal (Procon-DF), a iniciativa de criar um aplicativo partiu do funcionário de carreira David Kalil. Desde o lançamento, em março, alcançou 1.579 pessoas. “Essa é a forma mais rápida de se comunicar”, diz o diretor-geral da autarquia, Paulo Márcio Sampaio.

 

O aplicativo traz reportagens sobre consumo, endereços dos postos do Procon mais próximos (identificados por meio de GPS) e o Código de Proteção e Defesa do Consumidor. O cidadão pode tirar dúvidas por meio de mensagens de texto com ou sem fotos. O prazo máximo para ter a resposta é de 48 horas. Segundo o diretor-geral, a adesão é boa e tem se refletido de maneira positiva institucionalmente. “É uma forma de melhorar a fiscalização do Procon e de atuar com mais eficiência.” Só há versão para dispositivos com sistema operacional Android.

 

Caesb
No aplicativo da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), pode-se consultar a segunda via de contas de água e o histórico de consumo, além de detalhar e pagar as faturas por meio do código de barras. Criado em outubro de 2014, o serviço foi atualizado em julho de 2015 com uma cartilha que ajuda o cidadão a identificar vazamentos em casa, a Caça-Vazamentos. “O material é o mesmo usado pelos técnicos da Caesb”, afirma a assessora de Tecnologia da Informação da empresa, Márcia Sabino Duarte. A iniciativa surgiu do plano diretor da área.

 

Há ali também mecanismos de uso interno, específicos do setor de manutenção. “Uma das nossas diretrizes é pensar na comodidade dos clientes”, define a assessora. Outra novidade para este ano é a possibilidade de informar vazamentos de água e esgoto nas ruas via GPS. “Ao passar de carro pela área, por exemplo, é só tocar por um segundo no ponto específico do mapa para marcar o vazamento e enviar à Caesb”, explica. O usuário também pode mandar fotos diretamente aos técnicos da companhia.

 

Para os próximos anos, a companhia planeja ferramentas como a de autoleitura de hidrômetro, que facilitará o trabalho dos técnicos. A pessoa poderá tirar foto do relógio e enviá-la para avaliação. O aplicativo está disponível no Google Play ou na App Store. A companhia já registrou mais de 6 mil downloads.

 

Zoológico
Em 2012, o analista de desenvolvimento de sistemas Jerfeson Guerreiro, de 21 anos, começou a pensar em como desenvolver um aplicativo que facilitasse a vida dos visitantes da Fundação Jardim Zoológico de Brasília. A ideia partiu de uma dificuldade que ele enfrentou na infância. “Quando fui ao zoo pela primeira vez, me senti bastante perdido”, lembra o morador do Novo Gama (GO).

 

Funcionários da fundação deram ao então estudante de graduação dados como o histórico dos animais e, assim, nasceu o Zoo Maps, sistema para dispositivos móveis oficial do zoológico de Brasília. “O principal objetivo é levar informações que melhorem a experiência dos visitantes”, destaca Guerreiro.

 

Com mais de 3,2 mil downloads, o aplicativo traz referências básicas sobre o zoológico — endereço, tarifas e horário de funcionamento — e sobre os animais que ali vivem. É possível simular qual o melhor caminho para chegar ao parque e consultar linhas de ônibus e metrô. Há ainda galeria de fotos, uma seção que permite verificar a previsão do tempo, os contatos do parque e as recomendações de segurança.

 

O Zoo Maps está disponível para a plataforma Android e pode ser baixado no Google Play. Segundo o desenvolvedor, versões para iOS (Apple) e Windows estão previstas para o fim do ano.

 

Sinal livre
Desde abril, a população de Brasília teve o acesso à internet ampliado, com pontos de rede pública sem fio em estações do metrô (Central, Galeria, Feira e Águas Claras). O serviço gratuito e livre, sem necessidade de cadastramento, existe desde a Copa do Mundo de 2014 na Rodoviária do Plano Piloto, no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, no Planetário e na área da Torre de TV. Basta localizar a rede GDF Sin@l Livre e se conectar. Foram responsáveis pela instalação da rede o Metrô-DF, a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e a Secretaria de Gestão Administrativa e Desburocratização.

 

Leia também:

Aplicativo Siga Brasília é lançado no Cine Brasília

Estações do metrô agora têm wi-fi

Procon-DF lança aplicativo para aproximar o consumidor dos seus direitos