Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/08/12 às 3h00 - Atualizado em 29/10/18 às 15h43

STC cede Sistema de Gestão de Auditoria ao TCDF

COMPARTILHAR

Na sexta-feira, 03 de agosto, no plenário do Tribunal de Contas do DF, o Secretário de Transparência e Controle – Carlos Higino Ribeiro de Alencar – assinou o Termo de Cessão de Uso, disponibilizando ao TCDF, sem ônus, o Sistema de Gestão de Auditoria – SAEWEB. A Presidente do TCDF – Marli Vinhadeli, o Secretário-Adjunto da STC – Dionísio Carvallhêdo Barbosa, além de autoridades dos dois Órgãos de Controle estiveram presentes à Sessão Plenária. O software automatiza os procedimentos dos processos de auditoria e dos atos de gestão orçamentária, financeira, contábil, patrimonial e operacional do DF. Saiba mais.

O SAEWEB foi implantado em maio de 2009 – por meio do Decreto nº 30.325 – e tem como principais produtos os relatórios de auditorias especiais e programadas; de inspeções; de auditorias de contas, de eficácia e eficiência da gestão. A utilização do sistema pelo TCDF vai facilitar o trabalho dos auditores de Controle Externo e melhorar a fiscalização da Administração Direta, das Autarquias e das Fundações do Distrito Federal.

Em seu discurso, a Presidente Marli Vinhadeli agradeceu à STC pela cessão do sistema. “Os auditores e secretários do TCDF estão muito empolgados com os benefícios que o SAEWEB irá trazer. Ele facilitará a criação de papéis de trabalho, a elaboração de informações em relatórios padronizados, além de auxiliar as pesquisas. Esperamos aperfeiçoar e tornar mais tempestivas as ações de controle externo, bem como, criar uma base de achados que ofereça subsídios para o planejamento de ações”, elogiou.

“Esse é o primeiro fruto do Acordo de Cooperação Técnica celebrado entre o TCDF e a STC, em 29 de novembro de 2011. Temos a missão constitucional de apoiar o controle externo. É nosso desejo contribuir para a melhoria da gestão. Como os recursos são limitados e o número de auditores reduzido, devemos investir no avanço da gestão”, defende Carlos Higino. Ele entende que a adoção de um único sistema permitirá que as ações da STC sejam acompanhadas de forma mais ágil e precisa pelo Tribunal, garantindo maior eficiência nas auditorias e uma significativa economia de papel.

 

Leia também...