Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
24/05/16 às 11h32 - Atualizado em 29/10/18 às 15h33

Controle social: universitários são capacitados para serem auditores cívicos

COMPARTILHAR

Em junho começarão as auditorias cívicas na saúde. Na primeira etapa do projeto a meta é visitar 68 unidades de saúde.

 

No dia 16 de maio, 400 alunos da Faculdade Processus de Águas Claras participaram da primeira capacitação para auditoria cívica na saúde. O evento é uma realização do Instituto de Fiscalização e Controle (IFC) e conta com apoio institucional da própria Faculdade Processus, da Controladoria Geral do Distrito Federal e do Ministério Público do Distrito Federal.

 

Na capacitação os universitários aprenderam a metodologia para se realizar uma auditoria cívica nas unidades básica de saúde. A ideia é que o próprio aluno faça a capacitação da comunidade em cada região administrativa. O evento contou também com palestras de controle social e oficinas para escolha das unidades de saúde.

 

A temática da palestra ministrada pelo representante do IFC, Everton Kischlat, foi importância da participação cívica em parceria com os órgãos de controle. “A sociedade não pode continuar alheia ao controle dos gastos públicos, só na dependência da fiscalização dos órgãos estatais. Até porque, estes não têm capacidade operacional para garantirem sozinhos a correta aplicação do dinheiro público”, afirmou Kischlat.

 

O subcontrolador de Transparência e Controle Social, Diego Ramalho, explica que o evento é primeiro passo na mobilização da sociedade em prol do controle social na saúde pública. Até dezembro de 2016, 139 unidades de saúde do Distrito Federal serão fiscalizadas pelos auditores cívicos. “O trabalho é fomentar o controle social com apoio dos universitários para que se tornem os protagonistas no controle das políticas públicas. Universitários e comunidade juntos, de olho no funcionamento da saúde do seu bairro”, disse o subcontrolador.

 

O evento contou com a participação do controlador-geral do DF, Henrique Ziller, da procuradora do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, Maria Rosynete de Oliveira Lima, e representantes da sociedade civil que atuam no controle social. Ziller falou de sua experiência iniciada há cerca de 10 anos na “Caravana Todos Contra à Corrupção”, que viaja por todo o Brasil esclarecendo para diversos públicos interessados em saber sobre como fiscalizar a aplicação do dinheiro público. “Continuo com a convicção de que não há outra saída para o combate à corrupção além do controle social. A sociedade tem que assumir essa tarefa urgente da fiscalização dos recursos públicos e da qualidade do serviço prestado pelo Estado. Ou então, não avançaremos”, afirmou para os universitários.

 

 Serviço

Inscrições para voluntários www.ifc.org.br

Informações – ( 061) 3224 4368